Translate

quarta-feira, 11 de março de 2015

Equinócio de Outono - Sabbat Mabon

    Equinócio de Outono 2015 – Sabbat Mabon

   Nestes 20 de março de 2015 as 19h45' teremos o Equinócio de Outono no Hemisfério Sul. Para a astronomia, equinócio é o instante em que o Sol em sua órbita aparente, do ponto de vista da Terra, cruza o plano do equador celeste, a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste. Ponto no qual a eclíptica cruza o equador celeste.
   A palavra equinócio vem do latim, aequus/igual e nox/noite, e significa “noites iguais”, ocasiões em que o dia e a noite dura o mesmo tempo. Ao medir a duração do dia, considera-se que o nascer do Sol, alvorada, é o instante em que metade do círculo solar está acima do horizonte, e o pôr do Sol, crepúsculo, o instante em que o círculo solar está metade abaixo do horizonte. Assim o dia e a noite durante os equinócios têm igualmente 12 horas de duração.
   Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro quando definem mudanças de estação. Em março, o equinócio marca o início da primavera no hemisfério norte e do outono no hemisfério sul. Em setembro ocorre o inverso, quando o equinócio marca o início do outono no hemisfério norte e da primavera no hemisfério sul.
   Para a Astrologia o Equinócio de Outono é o momento em que o Sol ingressa no signo de Áries, signo de todos os começos, dos nascimentos, de força masculina, penetração e dos cortes. O inicio do Eu e da vida neste plano.
   A entrada da cada estação consta na roda do ano pagão, e assim em cada estação uma comemoração. Simboliza a concepção de tempo dos pagãos, principalmente a dos Celtas, que era um tanto quanto diferente da atual, eles não viam o tempo de forma linear, mas circular, cíclico. Seus calendários levavam em conta não só o ciclo solar, como é o nosso, mas também o ciclo lunar.
   Originários da tradição celta, os Sabbats ocorrem oito vezes ao ano, levando-se em conta a posição da Terra com relação ao Sol: Equinócios e Solstícios. Nessas ocasiões, na Wicca, são homenageadas duas divindades: a Deusa Mãe, ou simplesmente a “Deusa”, que simboliza a própria terra, e o Deus Cornífero, O Gamo Rei, protetor dos animais, dos rebanhos e da vida selvagem.
   O Sabbat de Mabon, equinócio de outono, no hemisfério sul é o momento em que o Sol passa pelo equador celeste, quando o dia e a noite duram o mesmo tempo – ao contrário dos solstícios de inverno e de verão, quando o dia é mais curto em um e mais longo no outro. É um tempo de equilíbrio e balanço, mas as sombras começam a dominar a luz.
   É tempo agradecer a Deusa, Senhora de Abundancia, pela colheita que nos sustentará pelos meses escuros do Inverno, onde se festeja a abundância da Mãe Terra e se dá graças pelo que foi colhido e caçado.
   Mabon marca o começo do Outono e é também a fase de ancião do Deus Sol que se prepara para morrer. Ele está envelhecendo e morrendo lentamente, como as plantas colhidas da Terra. Ele doou todo o seu poder aos seres humanos através das colheitas.
   É um período de morte e renovação, quando as folhas ficam douradas e as hortas se reciclam, e antigamente se abatia animais cuja carne seria salgada para consumir no inverno.
   Esse Sabbat é simbolizado pela espiral duplo, um vai e outro que retorna, para nos lembrar que começamos a jornada pelo ponto mais escuro do ano e que a morte sempre é seguida pelo renascimento, da mesma maneira que o Inverno sempre é seguido pelo Verão.
   É o recolhimento do Deus em forma de semente no ventre da Mãe e a promessa do seu retorno.
   É hora de meditar sobre os projetos, a escolha das “sementes”, nossos sonhos, que serão plantadas no próximo ano.
   Temos que soltar, deixar ir, pessoas, sentimentos e objetos que não tem mais significado em nossas vidas, pois isso é o que impede de alcançar aquilo que queremos, quando não conseguimos compreender que cada coisa tem seu tempo. Os temas desse Sabbat são equilíbrio e gratidão
   Faça uma cornucópia da Abundância, vaso em forma de chifre, com frutas e flores que dele extravasam profusamente, antigo símbolo da fertilidade, riqueza, abundância, e que, hoje, simboliza a agricultura e o comércio
   A cornucópia, é um símbolo de generosidade, boa colheita e tem implicações mágicas bem definidas.  O chifre é um símbolo fálico, representante do Deus. O interior do chifre simboliza o útero, especialmente quando está cheio de generosidade da terra fértil, e representa a Deusa.
   Como Mabon é a Ação de Graças das Bruxas, é muito apropriado utilizar esse símbolo para enfeitar nossa mesa. Faça ou compre. Encha de frutas, flores, grãos e moedas, de forma que eles sejam derramados sobre a mesa. Acrescente outras coisas mágicas, como folhas de louro, ou fitas com cores que representem a prosperidade.
   Lembre-se a magia está no ato da confecção, colocando todo o entendimento e intenção de abençoar a mesa com prosperidade.
Bebida Mágica:
· Sidra de maçã quente
· Canela
· Pequenas rodelas de maçã.
   A maçã rege o coração e é o símbolo da Deusa, a sidra representa o eu, por si só já é uma poção de amor.
   A canela, é governada pelo Sol, representa a essência solar e, ao ingerirmos esta bebida aquecida é como se estivéssemos ingerindo a união do Deus e da Deusa.
   Este é um momento para sentir a gratidão por todas as dádivas recebidas, é um momento de partilha e comunhão entre todos com um “banquete” de abundância em honra ao Deus.
   A mesa é coberta com legumes, carnes deliciosas e aves, tortas e bolos e outras delícias, enfeite-a com a cornucópia e sirva a bebida mágica.
   Nesse encontro de familiares e amigos que tem como propósito o agradecimento, é feita a passagem do Cálice da Gratidão entre os presentes.     Um Cálice repleto de vinho é abençoado e passado a cada integrante da mesa.
Conforme o Cálice passa, as pessoas vão fazendo seus agradecimentos, sem beber do cálice. Quando todos tiverem agradecido por todas as bênçãos, o cálice é passado, eles bebem e passam adiante. Isso continua até a Taça esvaziar, todos bebendo em amor, bênçãos e gratidão a tudo.

“Temos muito diante de nós e por isso somos gratos.
 Temos tantas bênçãos, e, por isso somos gratos.
 Há outros não tão afortunados, e por isso estamos gratos.
 Vamos fazer agradecer aos deuses que nos abençoam
 e pedir para que as pessoas necessitadas sejam também abençoadas como  somos hoje”.

   Devemos também pedir pelos que estão doentes e pelas pessoas mais velhas, que precisam de nossa ajuda e conforto, assim como é a época ideal para prestar homenagens a nossos antepassados femininos, queimando papéis com seus nomes no caldeirão e lhes dirigindo palavras de gratidão e bênçãos.
   É um bom momento para limpar a casa, com a intenção de desobstruir toda desordem ao redor de seu lar.
   As portas e cantos da casa são abençoadas para protegerem aqueles que vivem dentro dela. Separe objetos e roupas que não usa mais, e doe para pessoas carentes.
   É uma ótima época para feitiços que visam seu equilíbrio, seja financeiro, amoroso ou profissional.
   Remove as culpas que não pertencem a você substituindo-as por carinho e aceitação. Aumente sua autoestima.  Leia e renove seus conceitos intelectuais. Ande de pés descalços na natureza é ótimo e equilibre-se energeticamente.
   Como esse é o dia tradicional de agradecer pela colheita, deixe na porta de sua casa ou em um jardim, oferendas de comida e bebida para os duendes.
   A noite de Mabon é uma boa oportunidade para pedir-lhes proteção, harmonia familiar e prosperidade.
   Os duendes e as fadas farão por ti o que estiver disposto a fazer por eles. O equilíbrio de dar e receber é o preço normal que temos que pagar, principalmente quando estamos trocando presentes com esses seres.

   Neste dia teremos a Lua Nova as 06h38' que se dará a 29° de Peixes, signo em que transita Mercúrio, Netuno e Quíron, estabelecendo uma frequência de dissolução e cura. Estará disponível uma maior capacidade de sintonia com outras dimensões, podemos atravessar com mais facilidade os limites dos níveis e criar uma intercessão nos tempos passados e futuros.