Translate

sábado, 16 de novembro de 2013

Capricórnio, o 10º Trabalho de Hércules

  Capricórnio, o 10º Trabalho de Hércules

“A morte de Cérbero” - A elevação da personalidade, a terceira iniciação


   O Mestre disse a Hércules: “Enfrentaste com êxito mil perigos, Hércules, e muitas conquistas foram feitas. A sabedoria e a força te pertencem. Farás uso delas para salvar alguém em angustia, uma presa de imenso e infindável sofrimento?” E tocando gentilmente a fronte de Hércules, diante de seu olho interno, surgiu uma visão. Um homem jazia sobre a rocha e gemia como se seu coração fosse partir-se. Seu pés e mãos estavam acorrentados, as fortes correntes que o prendiam estavam ligadas a anéis de ferror. Um abutre, feroz e audacioso, mantinha-se bicando o fígado da vítima, em consequência, uma corrente de sangue jorrava do seu flanco. O homem elevava suas mãos acorrentadas e clamava por socorro, mas suas palavras ecoaram em vão na desolação e eram engolidas pelo vento.
   A visão desapareceu e o Mestre falou: “Aquele que viste acorrentado se chama Prometeu. Ele sofre assim a muito tempo, e contudo, sendo imortal, não pode morrer. Do céu ele roubou o fogo sagrado, por isto foi punido. O lugar de sua morada é conhecido como Inferno, o reino de Hades. Pede-se que sejas o salvador de Prometeu, Hércules. Desde até as profundezas, e de lá o liberte do sofrimento”.
   Hércules iniciou sua viagem descendo sempre através das ligações dos mundos da forma. A atmosfera se torna cada vez mais pesada, a escuridão crescia sempre. E contudo sua vontade estava firme. Essa íngreme descida continuou por longo tempo. Sozinho, contudo não absolutamente só, ele vagueava, e quando ele procurou em seu íntimo ele ouviu a voz prateada da Deusa da Sabedoria, Athena, e as palavras encorajadoras de Hermes. Por fim ele chegou a um rio escuro e envenenado que as almas dos mortos tinham que cruzar. Uma moeda tinha de ser dada a Caronte, o barqueiro, para que as levasse para o outro lado. O visitante da terra assustou Caronte, que levou Hércules ao outro lado, sem lembrar-se de cobra-lhe. Hércules penetrou o Hades, uma nevoenta e escura região onde as sombras, ou melhor, as conchas dos que haviam partido, esvoaçavam.
   Quando Hércules percebeu a Medusa, com seu cabelo encaracolado com serpentes sibilantes, ele tomou a espada e tentou atingi-la, mas só bateu no ar vazio. Ele seguiu pelos caminhos labirínticos até chegar a corte do rei que governava o mundo subterrâneo, Hades. Este inflexível, severo e com semblante ameaçador, sentava-se em seu negro trono quando Hércules se aproximou. “Que procuras, um mortal vivo nos meus reinos”? Hades o interpelou. Hécules disse: “Procuro libertar Prometeu”. “O caminho está guardado pelo cão Cébero, um cão com três grandes cabeças, cada uma com serpentes enroladas em torno”, replicou Hades. “Se puderes derrotá-lo com tuas mãos vazias, um feito que ninguém jamais realizou, poderá libertar o sofredor Prometeu”.
   Satisfeito com a resposta, Hércules agarrou a primeira cabeça e a manteve presa em seus braços, enquanto o monstro debatia-se. Finalmente sua força o cedeu e Hércules seguiu até encontrar Prometeu em uma laje de pedra, em dores atrozes. Hércules partiu as correntes e libertou o sofredor.
   Este trabalho está associado ao signo de Capricórnio, o mais misterioso dos doze.. Há dois portões de importância dominante: Câncer, no que chamamos vida e Capricórnio, o portão para o reino espiritual. Capricórnio é o portão que nós finalmente passamos quando não mais nos identificamos com o lado forma da existência, nos tornamos identificados com o espírito. É isto que significa ser iniciado, uma pessoa que não põe mais sua consciência na mente, ou nos desejos, ou no corpo físico. Ele pode usá-lo se quiser, e o faz para ajudar toda a humanidade, mas não é neles que focaliza sua consciência. Ele está focalizado no que chamamos de alma, que é aquele aspecto de nós mesmos que está livre da forma. É na consciência da alma que finalmente funcionamos em Capricórnio, conhecemo-nos como iniciados, e entramos nos dois grandes signos universais de serviço à humanidade. Em Aquário vai lidar simbolicamente com animais em massa, neste Trabalho Hércules vai ter o a tarefa de limpar as estrebarias de Augias, seu primeiro trabalho como um discípulo mundial. Em Peixes vai capturar, não o touro, mas todos os bois, introduzindo em nossa consciência a ideia da universalidade do trabalho mundial, da consciência grupal, da consciência e do serviço universal.
   Capricórnio representa a terceira iniciação, a primeira das iniciações principais. Quando o homem lembra de que o destino da humanidade depende em grande parte da sua vontade de colaborar na tarefa transcendental. Que ele se lembra de que a lei é, e sempre foi, lutar, e que ela não perdeu sua importância ao ser transportada do plano material para o espiritual. Que ele lembre de sua própria dignidade, sua nobreza como um ser humano, que deve emergir de seus esforços para se libertar de sua servidão e para obedecer suas aspirações mais profundas. E que ele jamais se esqueça da centelha divina que está nele, e que ele é livre para desconsiderá-la, matá-la, ou se aproximar dela, mostrando seu entusiasmo para trabalhar com ela e para ela.



Bibliografia: Os 12 Trabalhos de Hércules – Alice A. Bailey