Translate

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Os Signos na Santa Ceia de Leonardo Da Vinci

           Os Signos na Santa Ceia de Leonardo da Vinci

   A Santa Ceia, obra de Leonardo da Vinci, pintada entre o ano de 1503 e 1507,  tem várias representações, dentre elas os mistérios da Astrologia Iniciática.
   Leonardo Da Vince viveu numa época de obscurantismo religioso e cultural na Idade Média, Iluminismo, Reforma e Contra Reforma Religiosa, por esse motivo teve que encerar todo seu conhecimento a sete chaves. Em sua obra, a Santa Ceia ou Última Ceia, quadro que retrata a ceia de Jesus com seus doze apóstolos. Jesus rodeado por seus Apóstolos são o Sol e 12 planetas do Sistema Solares, segundo estudiosos, Vulcano, Perséfone e Clarión ainda não descobertos pela ciência acadêmica.
   Ao lado direito de Jesus, à nossa esquerda, o personagem seria João, o discípulo amado de Jesus, ou uma mulher, Maria Madalena, sua esposa-sacerdotisa? Observe que esta mulher possui expressões típicas do pudor feminino, ela estaria usando uma corrente de ouro no pescoço e afasta-se de Jesus com sedução feminina.
   Esta figura e Jesus usam o chamado “efeito espelhado”, Jesus está usando túnica vermelha e manto azul, Madalena usa túnica azul e manto vermelho, o “espelho” simboliza a entrada para uma realidade oculta.
   Um conhecedor de arte verá que os grupos formados por Jesus e Madalena, pelo afastamento de Madalena, formam um M no centro do quadro. O M foi um código muito usado pelos Templários e sobre o qual existe muita controvérsia. M símbolo da Constelação de Virgo, M de Madalena, venerada pelos Templários? Ou seria o Eterno Feminino de Deus, nossa Mãe Divina?
   No “grupo de Jesus”, aparece “mão anômala” fazendo o “gesto ou dedo de João Batista” tão caro a da Vinci, que usou este símbolo com grande constância na sua obra. O próprio da Vinci encarna Judas Tadeu, apesar de ser a cena do Sacramento Mágico da Eucaristia, não há vinho ou pão na mesa posta por Da Vinci, o pão estaria reduzido a migalhas.
   A visão astrológica, na obra de Da Vinci, é muito mais profunda do que análises teológicas, ou mesmo de signos e cálculos. Da Vinci representou como já conhecesse 12 Trabalhos de Hércules, que são os passos iniciáticos necessários para encarnarmos o Cristo Interior.  Essas 12 faculdades superiores de nosso Ser Divino são representadas na tradição cristão-gnóstica como os 12 apóstolos, mas podem ser vistas também nos 12 Cavaleiros da Távora Redonda.
   O universo e sua infinita complexidade podem ser esquematizados na simbologia deste quadro. Jesus é o Sol, o centro do universo, a luz do mundo, para onde deveremos direcionar nosso olhar sempre que precisarmos de ajuda. Ele está no centro do quadro é o Sol circundado pelos doze apóstolos que encarna um conjunto humano de virtudes e defeitos, de propriedades e características que podem ser notadas através da fisionomia de cada um, juntamente com seus gestos.
   A psicologia lê os corpos que falam através dos movimentos e a mesa é sustentada por quatro vigas de madeira, que representam os quatros elementos alquímicos do universo: Terra, Fogo, Ar e Água. Há também as três portas no fundo do quadro, a Trindade: Pai, Filho e Espírito do Santo e aos signos cardeais, fixos e mutáveis. Um conjunto de luz e sombras que revela aos poucos a origem divina do homem e sua elevação cósmica.
   Na prática, quando uma pessoa nasce, ao tomar seu primeiro alento, segundo texto original, ela é impregnada com uma imagem sideral daquele momento, essa marca é seu consciente, a luz, o que está claro. Porém, de acordo com as leis do equilíbrio universal, essa pessoa recebe as características opostas, o subconsciente, o lado obscuro e escondido, aquilo que luta para se manifestar e vir à tona. Ou seja, tornar-se um dia consciente. Assim como luz, trevas, dia, noite, bem e mal, céu e inferno. O ser humano é dual em sua alma e origem. Devemos sempre buscar a luz maior e trabalhar com nossas imperfeições transmudando-as em amor incondicional.
   Em Busca da Luz Maior, Simão, sentado á cabeceira da mesa,líder, com as mãos aponta a direção a ser tomada, sua testa está bem iluminada, luz da verdade, Áries rege a cabeça e está alheio a tudo que acontece na mesa, Áries é autoconfiante e age de acordo com seus próprios impulsos. Ao seu oposto ao lado de Jesus está João, Libra o oposto de Áries, símbolo da paz e da harmonia, da justiça e da beleza, como pode ser notado no semblante de João. Suas mãos cruzadas demonstram que mede, pondera e avalia o que o Mestre fala, inclinando para trás, suaviza o impacto de Áries. O ariano está sempre pronto a pegar na espada, porém antes disso deve procurar refletir nas conseqüências do seu gesto impensado. Se Áries impõe, Libra cede. Para que haja equilíbrio, é preciso haver conciliação.
   Judas Tadeu, Touro, a luz incide no seu pescoço. Touro realiza o trabalho da matéria e da aglomeração. Um signo depende do outro e os dois Judas parecem comunicar isso muito bem. Judas Iscariotes, o homem do dinheiro, segura o saco com moedas numa postura atenta e desconfiada, Escorpião ataca sem aviso. Ao Escorpião é dada uma das mais difíceis tarefas espirituais, transformar a matéria em espírito, colocar ordem no caos, tirar dinheiro das pedras. Não se pode esquecer que se não fosse à traição de Judas não haveria morte na cruz, a humanidade não conheceria o amor incondicional de Jesus e não haveria a salvação. Então todo nosso sucesso financeiro dependerá do nosso sacrifício no trabalho. Touro é o trabalho e os bens e Escorpião é transformação em nossa vida que disso resulta.
   Gêmeos é Mateus, o movimento, nossa formação intelectual e espiritual. A duplicidade de Gêmeos é expressa na cabeça em direção á Simão e os braços em direção a Jesus. Quer acompanhar o que diz Simão e ao mesmo tempo querendo levar até Jesus o que diz Simão. Mateus não quer perder nada que acontece na mesa, por isso está de pé. Sagitário é Pedro o Centauro, símbolo da evolução, o animal humano que busca o divino. Pedro representa à lei, a ordem, a religião, o Divino. Trás em sua mão a faca que representa a fera do homem. Seu dedo aponta para Jesus, o impulso da matéria que quer alcançar o Divino, se evoluir. O corpo de Pedro avança sobre o de Judas, o que também expressa que rumo ao divino, o homem deve vencer toda a materialidade. O nativo de Gêmeos deve dar atenção ao pólo oposto, não se dispersar em movimentos inúteis antes fixando o pensamento em um único alvo, como faz o Centauro. Sagitário deve compreender que o alvo só será atingido através do movimento realizado dentro da lei e da ordem.
   Câncer é o amanhã, Capricórnio é o hoje. Enquanto Câncer sonha Capricórnio batalha, luta. Câncer é a fé, Capricórnio a solidão. Filipe, Câncer, sente-se atraído pela fé e pelo arrebatamento diante de Jesus, suas mãos no coração demonstram que sente a fala do Mestre, “vinde a mim os aflitos e angustiados..”, enquanto que as mãos secas de André, Capricórnio, parecem dizer para longe de mim, ou seja, se assusta com tamanho dever e responsabilidade. Capricórnio deve aprender com a doação de Câncer a valorizar suas emoções, Câncer deverá aprender com Capricórnio a ser mais confiante.
   Tiago Menor, de braços abertos ao lado com Jesus, expõe seu coração e seus sentimentos, ao mesmo tempo em que atinge e alcança tudo ao seu redor é  Leão, confiança em si mesmo e querer ser o centro das coisas. Seu oposto Tiago Maior, Aquário, com as mãos estendidas nas costas de Pedro, expressa a inquietude da alma de todo aquariano. Aquário pergunta primeiro e depois age, entre Bartolomeu e André, Tiago Maior sente-se mais forte com a força do grupo, ou seja, não existe rei sem povo e povo sem rei. O trabalho em equipe trará sempre os melhores resultados.
   Tomé aponta o dedo em direção ao mestre, Virgem, que analisa tudo e descobre. Seu oposto, Bartolomeu, de pé, Peixes rege os pés destacados pela luz no quadro, que no final da mesa compreende as palavras do mestre com o sentimento de amor universal. O nativo de Virgem precisa aprender a não se desgastar com detalhes, precisa aprender com Peixes a visar grandes coisas e se elevar espiritualmente, deve aprender a não querer fugir das dores do mundo e aceitar-se mais incondicionalmente.
   Assim como cada Apostolo/Signos, tem seu lado luz e sombra, devemos sempre nos elevar na busca do autoconhecimento, da expansão da consciência e da meditação para transformarmos nosso lado trevas em luz, alcançarmos a luz maior e estarmos em paz profunda.


Pesquisa: Curso Zodiacal de Samel Aun Weor,1950, Escola Nova Gnose do 4º Caminh
o.