Translate

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Tragédia revela na Lua Cheia em Leão

                   Tragédia revela na Lua Cheia em Leão

    Ainda sob o efeito da terrível tragédia que se abateu sobre nós, na Boate Kiss em Santa Maria/RS, onde mais de duas centenas de jovens perderam a vida, no auge de seus sonhos e esperanças, olho para o céu e vejo a Lua Cheia em Leão.
   Lembro que a Lua Cheia revela tudo que está oculto, divulga e repercute. Esta tragédia revela a precariedade das instituições públicas e dos indivíduos que elegem os administradores.
    Não é o caso, pelo menos por enquanto, de pensar quem são os responsáveis, até porque penso que somos todos nós. Quando nos omitimos, não denunciamos, deixamos irregularidades passarem, não respeitamos  nossas vidas nem a dos outros, optamos pelo lucro e pelo caminho mais fácil, subornamos e ludibriamos a lei, as pessoas e a nós mesmos.
  Os acontecimentos de Santa Maria iniciaram com um sinalizador, bem a propósito, apontando comportamentos e interesses, tudo pelo espetáculo, sem preocupação com as vidas, que naquele momento eram só público alvo e pagante.
   Leão fala da identidade, individualidade e auto-estima. O que acreditamos que somos quando coisas como estas acontecem? Valorizamos nosso poder aquisitivo, imagem, o que pensamos possuir, sem se preocupar como e para o que servimos, a não ser ganhar dinheiro e ter um poder efêmero,  que não nos qualifica a nada. 
    Lua Cheia em Leão, que sirva para encararmos de frente o que somos, o que fazemos, e quem queremos ser. É hora de enterrarmos nossas vítimas, recolher cacos e rever valores e atitudes.
   Na tragédia nos unimos e a solidariedade vem à tona, emerge da sabedoria universal habita dentro de nós, nela que devemos nos deter para repensarmos nossos valores e interesses. Lembrar que o que acontece a um se expande no todo.
  Juntos, ao longo da história da humanidade neste planeta, construímos tudo o que existe, cada um contribui com o que carrega, dispõe e delega. O que nos qualifica frente a nós mesmos? Qual o nosso legado?  Que sentido tem nossa vida?
   Estamos constrangidos no reflexo que vemos neste imenso e trágico espelho que se abateu sobre nós. O mundo chora a suas mazelas, vamos fazer que sirva para sairmos deste ciclo predatório, em que a vida não tem importância e que o valor está no material, nas aparências e não no essencial e humano.
  Os jovens vitimados dão sentido a sua breve passagem como um alerta, o que causamos com nosso descaso, individualismo e falta de comprometimento. Só podemos ser indivíduos dentro do coletivo, que nos reflete e une.